Image Map
Mostrando postagens com marcador Curiosidades. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Curiosidades. Mostrar todas as postagens

sábado, 17 de junho de 2017

SUPERSTIÇÕES JAPONESAS



Olá queridos leitores,

Saudades de vocês, afinal faz um tempinho que não posto. Sabe como é vida de Japão, muito trabalho e pouco tempo (e ânimo) para cuidar de outros afazeres.

Após quase 6 anos morando aqui, acabo percebendo certas superstições curiosas na sociedade japonesa. Afinal, toda cultura tem suas crendices populares e com os japoneses não seria diferente, não é mesmo. Sabe aqueles alertas de perigo que sua mãe ou sua vó sempre diziam: ”quebrar espelho traz sete anos de azar” ou “não varre o pé se não você não se casa, menina!” . Essas são apenas duas das muitas crenças existentes no Brasil, mas, e no Japão?

Os japoneses levam muito à sério esse lance de superstição e em muito lugares é notável isso, a ponto de serem feitas alterações, no mínimo estranhas e curiosas, para evitar um possível azar ou má sorte na vida deles.

Então, vamos lá. E se estiver pensando em vir ao Japão fique atento à essas dicas:

1. Espetar os “hashis” na tigela de arroz

Essa é muito importante para não fazer feio na hora de comer aqui. Nunca enfie os hashis na tigela de arroz, sempre os deixe juntos na posição vertical sob o prato ou então utilize o hashioki, um descanso especial para hashis, caso estiver disponível sob a mesa. O motivo? Os hashis só são espetados na tigela de arroz em uma única ocasião: para oferecer arroz aos falecidos durante um velório. 


Exemplos de hashiokis



2. Passar comida do seu hashi para o hashi de outra pessoa

Ainda no assunto hashi, nunca passe comida do seu hashi para o hashi de outra pessoa. Você deve estar de perguntando a razão. Em uma cerimônia de funeral japonês, após a cremação, os parentes utilizam os hashis para passar os ossos do falecido uns para os outros.

3. Matar uma aranha à noite

Os japoneses são muito ligados à natureza. Já percebi que eles evitam ao máximo matar qualquer ser vivo. Gente, não sei como eles vivem, mas quando aparece uma barata em casa, o que os brasileiros fazem? Matam, é óbvio! E olha que aqui tem bicho hein .... e não são baratas e aranhas como as do Brasil. Elas são gigantes. Lembro da primeira vez que me deparei com uma “aracnídea” aqui. Cheguei à noite do trabalho e a bicha tava lá enorme na parede. Diz a lenda japonesa que se matar uma aranha à noite você poderá perder todo o seu dinheiro. O que eu fiz? Liguei para meu marido é claro! No fim, matamos a coitada, mas é como eu digo, antes ela do que eu.

4. Cortar suas unhas à noite

Da série “coisas que os japoneses não fazem à noite”, eles também evitam cortar as unhas, pois dizem que trará má sorte além de não conseguirem estar com seus familiares quando esses morrerem.

5. Números de azar

Tá aqui um item curioso que originou esse post. Os japoneses evitam usar alguns números que segundo eles, carregam uma má sorte.

O primeiro deles é quatro, pois sua pronuncia em japonês (o número 4 em japonês é lido como shi) é a mesma para a palavra morte (shi). Por isso, não o utilizam em estacionamentos, hospitais e prédios por exemplo.  





3,5,6? What? Cadê o 4?


Outro número evitado pelos japoneses principalmente em hospitais e hotéis é o nove, pois em japonês é lido como ku que também significa dor, agonia ou tortura.

Eles também evitam dar omiyages (nossas lembrancinhas) com quatro ou nove unidades/peças. Isso é muito respeitado na cultura japonesa e pode ocasionar uma bela de uma saia justa caso a tradição não seja respeitada.

Outros números:

42 - significa morrer se for pronunciado separadamente (shi-ni).

420 - significa espírito se for pronunciado separadamente (shi-ni- rei).

Por causa dessa superstição, esses números não aparecem em leitos de hospitais.

6. Pisar nas bordas do tatame

Evite pisar nas bordas do tatami, pois segundo a lenda isso trará azar.

7. Horário para estrear sapatos

Comprou aquele tênis novo lindíssimo para estreá-lo naquela balada incrível à noite? Esqueça se você estiver no Japão, ao menos que queira ganhar uma certa dose de má sorte em sua vida.

8. Assobiar à noite

Os japoneses morrem de medo quando alguém assobia perto deles à noite. Se puder, tente fazer isso para ver como realmente acreditam e ficam incomodados. Fazendo isso, estaria chamando cobras ou fantasmas. É melhor evitar né ...

9 – Deitar após comer

Cuidado! Se você deitar após comer pode se transformar em um boi. Engraçadinha essa né. Mesmo que não vire um boi, poderá ocasionar um refluxo estomacal além de engordar mais um pouquinho (deve ser por isso que são tão magrinhos ... risos).

Ainda existem inúmeras superstições, mas hoje, me limitarei à essas para não virar uma enciclopédia.

E você? Tem alguma superstição? Deixe nos comentários?

Beijos e até mais,
Thais Fioruci

 



Referências:





sábado, 6 de maio de 2017

A MENINA DOS SAPATOS VERMELHOS DE YOKOHAMA



Olá leitores,

Quem já visitou ou mora próximo da cidade de Yokohama (assim como eu), sempre se depara com estátuas, pinturas, chaveiros, decorações ou lembrancinhas com um par de sapatinhos vermelhos. Pelas ruas, circula um ônibus turístico chamado “Akai Kutsu” (traduzindo sapatos vermelhos) e existe até uma canção muito famosa entre as crianças, escrita por Ujou Noguchi, que leva o mesmo nome. Muito coincidência, não? Aquilo sempre me intrigou, afinal, qual a razão de, Yokohama, uma cidade portuária e com uma paisagem linda, ter como “símbolo” da cidade um par de sapatos vermelhos? Achava isso tudo muito estranho, deveria ter um motivo muito forte, mas qual? Fui pesquisar e enfim encontrei a resposta. Já adianto, a história é triste, mas resolvi compartilhá-la com vocês.


Calçada em Yokohama com o desenho dos sapatinhos vermelhos


A dona dos famosos sapatinhos vermelhos que tornou-se um dos símbolos da cidade e inspirou a música de Noguchi, foi a jovem Kimi-chan, como ficou carinhosamente conhecida. Kimi Iwasaki nasceu em 1902 na cidade de Fujimimura, província de Shizuoka, atualmente Shimizu Miyakami, e faleceu com apenas nove anos de idade. Kayo, sua mãe, casou-se com Shiro Suzuki. Decidiram então se mudar para a região de Hokkaido, no norte do Japão, para trabalhar como fazendeiros. Como a vida na fazenda naquela época era muita dura, Kayo preferiu deixar Kimi-chan, com apenas três anos de idade, aos cuidados de um missionário americano, Charles Huit, e sua esposa.

A vida não foi nada fácil para o casal que trabalhava muito dia após dia. O irmão de Kayo, que morava em Shizuoka, mudou-se para Hokkaido na tentativa de ajudá-los, mas acabou falecendo por excesso de trabalho. Algum tempo depois, um incêndio destruiu a casa onde moravam e então resolveram recomeçar a vida mais uma vez em Sapporo, capital de Hokkaido. Shiro conseguiu um emprego na Hokumei Shinpo, empresa jornalística, onde conheceu o poeta Ujou Noguchi, seu colega de trabalho. Ao ouvir as diversas histórias do casal, inclusive a de como a filha deles deveria estar feliz vivendo na América com os Huits, decidiu compor a canção.

Enquanto Kayo vivia na doce ilusão de que sua filha estaria feliz do outro lado do mundo, Kimi-chan jamais havia pisado no navio que de fato a levaria para a América. Quando os Huits encerraram sua missão no Japão e decidiram retornar à sua terra natal, Kimi estava com tuberculose. Foi deixada aos cuidados do orfanato metodista Toriizaka Kyokai, em Tokyo, mas acabou falecendo em 15 de setembro de 1911. Seu corpo foi sepultado na lápide de Toriizaka Kyokai, no Cemitério Aoyama Reien, em Tokyo, e está aberto para visitação pública.

Kimi Iwasaki tornou-se um símbolo da criança desfavorecida e por isso diversas homenagens são realizadas. Em novembro de 1979, no Yamashita Koen, em Yokohama, foi erguida uma estátua da “Menina dos Sapatos Vermelhos”, olhando para o mar, como se estivesse esperando a chegada do navio que a levaria para a América. 





Uma curiosidade: Existem pelo menos oito estátuas de Kimi-chan no Japão e uma nos Estados Unidos no Porto de San Diego.

Obrigada por ler,

Abraços,
Thais Fioruci








Referência:
Revista Alternativa. Edição de 30 de Agosto de 2012

 






quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

10 COISAS QUE O BRASIL FAZ MELHOR QUE O JAPÃO!



Olá pessoal,

Estava vendo um vídeo do canal Amigo Gringo em que ele listava coisas que o Brasil faz melhor que os Estados Unidos. Sei muito bem que temos (me incluo nele) aquele “complexo de vira lata” no qual achamos que o Brasil é o pior país do mundo, que tudo é uma porcaria, que nada funciona direito, que a corrupção avassala o país, que os políticos são verdadeiros ladrões. Sei de tudo isso e concordo até certo ponto, mas morando fora há quase 6 anos, posso dizer com certeza que sim, o Brasil tem seus defeitos mas também tem muitas qualidades, como qualquer outro país do mundo. Quando você mora fora, nos primeiros meses e anos, compara tudo com seu país de origem e lógico acha tudo infinitamente melhor. Mas, passada a euforia da chegada e algum tempo depois, quando você se vê não mais como um “turista” e sim como um residente, passa a observar mais profundamente, com um olhar mais crítico. Daí percebe como a vida acontece naquele país que apesar de ser de primeiro mundo, também tem seus problemas.

Então, pensando nesse aspecto, comparei e listei 10 coisas que o Brasil faz melhor que o Japão. Já estou prevendo muito “mimimi”, mas é minha opinião. Se você não concordar com o que leu e quiser deixar um comentário CONSTRUTIVO, seja bem vindo. Vamos lá:

1 – Sistema de saúde

O sistema de saúde aqui funciona da seguinte maneira: o cidadão pode optar pelo seguro saúde oferecido pela prefeitura da cidade (o valor é calculado conforme seus ganhos anuais) ou entrar no seguro que é oferecido pela empresa onde trabalha (a empresa paga uma porcentagem que é calculado conforme seus ganhos e o funcionário arca com a outra metade). Daí, quando você for utilizar terá que desembolsar no momento da consulta mais 30% desde os honorários do médico, remédios e tudo mais que foi utilizado (ou seja, se não tiver dinheiro no dia não pode ficar doente rs). Acho um valor bem alto para a atual realidade dos salários do Japão, principalmente para quem não usa muito. E também porque esse plano não cobre certas ocorrências como gravidez e câncer. Sem falar que (isso é minha opinião que fique bem claro), acho os médicos japoneses bem despreparados, com idéias atrasadas e muitos sabem lidar com estrangeiros (como se fôssemos diferentes). É por essa e outros que quando algo mais grave acontece corro para meu amado Brasil. Sim, nossos dentistas e médicos são muitos melhores. Ah ... e antes que comecem a criticar que estou comparando com os planos particulares no Brasil, aqui não tem atendimento gratuito não ... e muito menos remédios grátis.

2 – Máquinas para verificarem preços em supermercados

No Japão tudo funciona muito bem, é verdade. Todos os produtos nos supermercados têm seu respectivo preço na prateleira, mas às vezes acontece de achar um produto fora do seu devido lugar e você querer levá-lo, ou simplesmente está sem o preço na prateleira e é nessas horas que sinto muita saudade daquelas máquinas de consulta que temos nos mercados brasileiros. Porque se não sei o valor e nem o local correto do produto, terei que perguntar para a atendente que apesar de muito simpática vai levar pelo menos uns 10 minutos para voltar e quase sempre sem a resposta certa.

3 – Fila exclusiva e caixa rápido

Dificilmente verá filas no Japão! Aliás, até esquece que elas existem e quando volta ao Brasil, leva um susto. Na mentalidade e hierarquia japonesa, você como cliente não pode perder um minuto do seu tempo esperando. Mas, elas ainda não estão extintas e quando freqüento supermercados muito grandes, elas são inevitáveis. Tem alguns caixas que nós mesmos passamos e empacotamos nossas compras, mas não são todos que querem ou sabem lidar com a tecnologia. E nessas horas penso que sim, deveria ter um caixa para uma quantidade de volumes menores, como no Brasil, e um caixa preferencial para gestantes.

4 – Frutas, verduras e legumes

Certamente é o que mais sinto falta da variedade de frutas, verduras e legumes. Aqui além das frutas serem caras, são sazonais. Existem poucos tipos de verduras e legumes e quando o inverno chega, eles praticamente desaparecem das prateleiras. Nossa, não imagina minha felicidade em ver um morango, uma melancia ou quando avisto uma couve-flor!

5 - Televisão

Além de ter a barreira do idioma, acho a televisão japonesa um pouco “infantil” e até um certo ponto censurada. É como se eles recebessem um “script” com todas as noticias “polêmicas” que deverão ser veiculadas. E durante o dia, os noticiários repetirão as mesmas reportagens. E pra mim, quando o assunto é grave, como a radiação de Fukushima, por exemplo, eles abafam e não falam abertamente sobre o assunto. E outra coisa chata, tem muita comida kkk. Você liga a televisão às 5 horas da manhã e os apresentadores já estão comendo. 



Previsão do tempo de todas as manhãs. Fofo, né! Mas tem hora que exageram nas fofurices


6 – Legislação do Trabalho

Pra mim, esse tópico juntamente com o tópico do sistema de saúde, é o que mais me irrita. Certamente o Brasil está a anos luz nesse quesito. Apesar de ser um país de primeiro mundo, ainda tem muita coisa errada, uma sociedade presa à pensamentos antigos e que aparentemente não quer mudar. Nesse cenário, uma legislação que rege os trabalhadores é praticamente inexistente. Vamos ver agora, depois de muitas mortes por excesso de trabalho e com a baixa taxa de natalidade, o primeiro ministro japonês está tentando mexer na legislação para tentar beneficiar o trabalhador. 

7 – Jeitinho Brasileiro

Os japoneses sabem muito bem o que fazer para atingir o sucesso em qualquer atividade. Sempre muito dedicados, organizados, metódicos e precisos, mas e se algo não acontece como o planejado? Na hora do aperto, eles não sabem como lidar com aquela situação inesperada, e só nós, com nosso jeitinho brasileiro, sabemos resolver.

8 – Produtos de higiene pessoal

Eu sou a louca dos produtos de higiene pessoal brasileiros!!! Tenho estoque em casa! Os produtos do Brasil como pasta de dentes, sabonetes em barra, desodorantes (que aqui são caríssimos e não seguram nada) e higiene intima são infinitamente melhores que os daqui. 

9 – Lâminas do Mc Donalds

Quantas vezes almoçava no McDonalds e ficava lá, rindo sozinha, com aquele papel que colocam na bandeja. Sempre engraçados e criativos! Agora, no Japão, a lâmina sempre informa sobre processos seletivos e convida jovens para trabalharem na rede. Sabemos que o país sofre com a falta de mão de obra, então essa é uma forma de propaganda também.




10 - Lançamento de filmes

Por que Deus os filmes demoram tanto para chegar aqui? Às vezes, já até saiu de cartaz no Brasil e está sendo lançado aqui. Sem falar que a maioria dos filmes no cinema são sempre de produção nacional, e apenas alguns são do exterior.



Esses foram os meus tópicos. E você que morou ou visitou o Japão, concorda comigo? Deixe nos comentários.

Até mais,
Thais Fioruci




quarta-feira, 2 de novembro de 2016

GUIA DE COMPRAS NO JAPÃO! O QUE E ONDE COMPRAR



Olá viajantes!!!

Saudades de postar aqui! Estava de férias mas voltei =) Quero agradecer aos inúmeros comentários que recebi nesse meu período "off" e estou correndo para responder todos. Muita calma nessa hora e vamos ao post de hoje (mulheres preparem a carteira porque aposto que irão gostar do assunto de hoje rs).

O Japão é o paraíso das compras! A tentação é muito grande, porque o país faz questão de ter produtos ultra mega fofos. Outro objeto de desejo da maioria das meninas que desembarcam na ilha são as maquiagens. Tente entrar em uma farmácia japonesa e sair sem nada, é completamente impossível. Se não comprar por necessidade, vai levá-lo só pela fofurice da embalagem. Pra mim, o Japão é o campeão olímpico no quesito de embalagens fofas e com design inovador. Às vezes, o produto em si não muda a fórmula, mas a marca desenvolve uma edição especial com um tema especifico no rótulo. Sim, os japoneses são extremamente consumistas e digo por experiência própria, você tem que se segurar e muito para não dar uma de louca e sair comprando tudo. 


É muita fofura para pouca embalagem!

Mas, para os turistas uma grande barreira é a língua e onde comprar determinados produtos. Para ajudá-los fiz um “mini guia” de compras, especificando as lojas e o que são vendidos nelas. Listarei as redes de lojas mais famosas do Japão e que geralmente possuem filiais por todo o país.

>>>> ELETRÔNICOS:

- Yodobashi Camera = No bairro de Akihabara tem uma loja gigante e por ser um bairro turístico, muitos vendedores falam inglês. Ainda nessa área há uma infinidade de lojas especializadas em eletrônicos e diversas outras focadas em animes e mangas. Se quiser conhecer mais sobre o bairro clique aqui

DICA DE OURO>> Se tiver a intenção de fazer várias compras nessa lojas, em sua primeira compra, peça para fazer o "POINTO KADO" (pode falar assim que eles entenderão), um point card, aonde ganha pontos a cada compra. Dai, em sua segunda compra, já poderá utilizar os pontos e ganhar um desconto extra.    

- Bic Camera = Em Shinjuku há uma unidade do Bic Camera exclusiva chamada de BICQLO, que nada mais é que uma junção de duas lojas: o Bic Câmera e a Uniqlo. Legal né? Assim você matará dois coelhos em um passeio só! Mais informações aqui

Ainda temos outras lojas conhecidas como o Nojima, LAB, Softmap e o Yamada Denki.

>>>> VESTUÁRIO

- Uniqlo = Na minha opinião as melhores filiais estão nos bairros de Ginza e Shibuya, essa última conta com opções de camisetas com design exclusivos para turistas. Uma ótima recordação do Japão e também caso queira levar uma lembrancinha para os amigos e familiares. Conheca mais sobre a Uniqlo aqui

- GU = Rede de lojas do mesmo grupo que a Uniqlo mas com um estilo de roupas mais diferenciado. Deseja conferir o design de suas roupas e saberm em que ela se difere da Uniqlo? Clique aqui.

- Shimamura – Uma loja de roupas bem popular aqui no Japão e que oferece preços tentadores. Tem uma loja no Aqua City em Odaiba. 

- Ainda temos as estrangeiras Berskla, H&M, Zara, GAP, entre outras.

>>>> PAPELARIA E DECORAÇÃO

Se estiver turistando pelo Japão, você PRECISA,leia de novo, PRECISA visitar pelo menos uma das duas lojas abaixo:

- Loft – Tem uma unidade em Shibuya. Você encontrará itens de papelaria, artigos de cozinha, malas, acessórios, produtos de higiene e muitas curiosidades. É como se fosse a Tok e Stock do Brasil. 



- Tokyu Hands – Também tem uma unidade em Shibuya e fica à 7 minutos à pé da saída Hachiko da estação de Shibuya. Muitos itens de papelaria, decoração, saúde e beleza, artigos para cozinha, banheiro, produtos de limpeza, bolsas, carteiras, relógios, itens de viagens, ciclismo, acessórios para celulares, ferramentas. É tanta coisa que certamente gastará horas lá dentro. 



- Donki Hot – Na verdade eu nem sei se esta loja se encaixaria nesse tópico, mas ela é imperdível e com certeza é uma visita obrigatória. Ela é bem bagunçada e bem poluída visualmente, mas tem muitos artigos curiosos e os melhores preços para maquiagens e produtos de higiene pessoal. Ainda encontrará comida, papelaria, itens de viagens, utensílios de cozinha, eletrônicos, eletrodomésticos, meias, vestuário, artigos importados. Bem tem de tudo um pouco. Só terá que ter muita paciência, pois os corredores são bem estreitos e sempre está cheia. 

>>>> HYAKUEN SHOP 

Os hyakuen shops são na verdade os nossos R$1,99. É uma loucura e sério, você tem que visitar pelo menos uma delas. Existem várias redes, mas as mais famosas são essas:

- Daiso = Com certeza a mais famosa e já tem até unidades no Brasil. Nesse tipo de lojas encontrará de tudo que possa (ou não) imaginar. Uma das maiores unidades da rede fica no centro de Tokyo, no bairro de Harajuku, no coração da famosa rua Takeshita. 

- Seria = Gosto é gosto. Em qualquer lugar do Japão que for, encontrará uma loja do Daiso mas pra mim, os produtos do Seria ainda são melhores e menos com cara de China, sabe. Na loja de departamento Marui em Shinjuku, no quarto andar, tem uma unidade. 

>>>> CD´s

Bem, se alguém tiver interesse em comprar cd´s de canções japonesas ou coreanas, as lojas mais famosas no Japão são a HMV e a Tower Records.

>>>> ARTIGOS PARA BEBÊS 

Além das famosas H&M e a GAP, uma loja muito frequentada pelos japoneses para a compra de artigos para bebê é a Nishimatsuya ou conhecida pelos brazucas como “a loja do coelhinho”. 

>>>> BRINQUEDOS 

Você pode comprar no Yodobashi Camera ou no Donki Hot mas se procura algo mais especifico visite a famosa Kiddyland em Harajuku, a Pokemon Store ou a Toys “R” Us

NÃO ESQUEÇA: Muitas lojas são tax free, ou seja, livre de impostos para turistas. Aqui pagamos 8% de imposto em tudo o que consumimos. Então, no momento do pagamento, mostre seu passaporte!  

Espero ter ajudado e se ficar mais alguma dúvida, é só perguntar =)

Siga-nos nas redes sociais =)

Canal do Marido no Youtube: www.youtube.com/naterradosushi
Twitter Sakano: www.twitter.com/sakanosan

Abs
Thais Fioruci







sexta-feira, 23 de setembro de 2016

CALENDÁRIO JAPONÊS



Olá amigos/as,

Quando eu falo que no Japão, tudo é diferente, eu tenho razão. A começar pelo nosso próprio nome que escrevemos usando a caligrafia japonesa, ou seja, em kanjis e katakanas. A tradicional assinatura ocidental, esquece. Aqui, temos que utilizar o hanko ou inkan conforme expliquei nesse post. Às vezes penso: “O Japão é um país tão moderno, mas ao mesmo tempo, tão antigo e apegado às tradições de séculos”. Um outro exemplo, só para finalizar essa minha reflexão é o currículo. No Brasil (acho que a maioria ainda faz assim?), digitava um documento no Word, imprimia e tirava várias cópias (a tinta da impressora era cara rs). Mas e como funciona no Japão? Você precisa comprar um formulário de currículo (vendido em papelarias, lojas de hyakuen) e preencher toda à mão. Detalhe: se você errar, como não pode usar corretivo e nem ter rasuras, terá que começar a preencher um novo. Dizem que até pode-se fazer um arquivo impresso, mas de acordo com a etiqueta, preferem escrito à mão para verem o formato da letra e tal. No caso dos estrangeiros, muitas empresas pedem o currículo em japonês para saberem se a pessoa sabe escrever e ler o que está pedindo ali.

Nossa me prolonguei demais nesse assunto. Na verdade, quero compartilhar um fato que sempre acontece comigo. Quando vou à prefeitura, fazer algum pedido de documento é necessário preencher um formulário. Nas cidades com grandes concentrações de brasileiros, existem tradutores. Onde moro, até tem uma pessoa a cada 15 dias no período de duas horas, mas nunca precisei de fato esperá-la. Daí, ao preencher o documento, tenho que escrever a data do meu nascimento só que usando o calendário imperial japonês.

Para começar, no Brasil, escrevemos datas nessa sequência (dia/mês/ano). No Japão escreve na sequência (ano/mês/dia). E não adianta colocar essas barras que eles não entenderão nada. Precisamos utilizar os kanjis corretos: para identificar o ano, para grafar o mês e para o dia. Logo, uma pessoa para escrever a data 23/05/1980, aqui ficaria assim 19805 23

Claro que também posso escrever minha data de nascimento nessa sequência, mas às vezes alguns formulários pedem para utilizar o calendário japonês. Daí precisa saber à qual era do calendário japonês equivale o ano do seu nascimento.

Só para relembrar, a partir da Era Meiji (meados de 1868) determinou-se que a cada era começaria no dia que um imperador subisse ao trono e terminaria no dia da sua morte. Atualmente (2016), estamos no ano 28 da Era Heisei  (em kanji平成28) que se iniciou em 8 de janeiro de 1989 quando o Imperador Akihito subiu ao trono. Um fato interessante é que o Imperador que ainda está no trono é chamado pelo próprio nome, mas após sua morte adotará o nome de sua era. A era anterior à atual era denominada Era Showa (em kanji昭和).

Para concluir, uma pessoa que nasceu em 23/5/1980, aqui passará a escrever sua data de nascimento dessa maneira昭和555 23 . Explicando: o ano de 1980 equivale ao ano 55 da era Showa. É importante também decorar os kanjis de cada era, pois em muitos formulários eles já estão escritos, você só precisa circular.

Deixarei uma tabela de conversão caso necessite utilizá-la. Sei que o assunto foi um pouco complexo, mas espero que tenha compreendido e assim dividir um pouco mais das curiosidades do dia a dia no Japão. 



 E não se esqueça de nos seguir pelas redes sociais =)


Canal do Marido no Youtube: www.youtube.com/naterradosushi
Twitter Sakano: www.twitter.com/sakanosan




Beijos
Thais Fioruci










domingo, 17 de julho de 2016

VOU DE TÁXI! TÁXIS NO JAPÃO



Olá,

Embora os táxis não sejam um dos meios de transportes mais utilizados no Japão, em todo caso, sim eles são úteis, principalmente quando se precisa chegar muito rápido em um lugar que você não faz a mínima idéia de onde seja. Já utilizei algumas vezes, em uma passagem muita rápida por Kyoto ou quando chego com muitas sacolas e não quero andar até em casa. Como moro aqui há algum tempo, me viro bem com trens e metros mas, e os turistas?  Em todo caso, darei aqui algumas dicas para que você, meu amigo, não passe por muitos micos em terras nipônicas. 




A primeira vista, os táxis são carros de modelos antigos e em seu interior cheio de capas brancas de renda. Um pouco brega mas, levando onde queremos, isso pouco importa. Os motoristas usam uniformes, luvinhas brancas e são sempre educados e formais.

Como chamar um táxi? É só levantar a mão quando avistar um e ele em seguida estacionará próximo de você. Não se esqueça que as portas abrem automaticamente tanto para o passageiro entrar quanto para descer.  Uma placa no painel no canto inferior do pára-brisas indica se um táxi está vago ou não. Normalmente, uma placa vermelha indica que o táxi está vago, enquanto uma placa verde indica o contrário. Durante a noite, uma luz no teto de um táxi pode indicar que o táxi está vago.




空車 - Vago

賃走 - Ocupado




A maioria dos taxistas não são fluentes em inglês, portanto leve consigo o endereço indicado de onde quer ir.  Os táxis aceitam dinheiro, cartões de crédito e alguns o Pasmo/Suíça.

Tarifas

Os táxis não são nada baratos por aqui e é cobrado por quilometragem. As tarifas diferem ligeiramente de acordo com a região, empresa e tamanho do veículo. A tarifa nos 23 distritos de Tokyo inicia-se em ¥730 para os primeiros dois quilômetros e depois acrescenta-se ¥90 por cada 280 metros. Não adianta pechinchar e pode-se transportar até 4 passageiros. O custo também aumenta quando o táxi não está se movendo por um tempo prolongado. No final da noite (normalmente das 10h às 5h), as taxas aumentam cerca de 20 por cento. Eventuais taxas de pedágio durante a viagem são adicionados à tarifa.

Aplicativos:

Tenha em mãos esses aplicativos para chamar um táxi mais rápido e fácil:

Japan Táxi

Esse aplicativo opera em 47 prefeituras do Japão com mais de 20.000 carros de diferentes companhias de táxi. Link para baixar o app abaixo Android:

Tinyurl.com/TOTjapan-taxi

https://play.google.com/store/apps/details?id=jp.co.nikko_data.japantaxi&hl=en

Uber

Dispensa apresentações. Chegou ao Japão em 2014 e rapidamente tornou-se popular entre os japoneses. A tarifa inicia-se em ¥103 e as corridas custam ¥309 por cada quilômetro.

Tinyurl.com/TOTuber

Line Taxi

O Line é o aplicativo de mensagens mais utilizado no Japão. O Line Táxi funciona em parceria com a Nihon Kotsu, uma das maioria companhias de táxi do país. No momento o serviço é viável apenas no centro de Tokyo, Mitaka e Musashino. O método de pagamento é através do Line Pay que requer um cartão de credito japonês, seguro e licença de motorista.

Táxi Fare Calculation

Esse aplicativo permite calcular o valor de sua tarifa antes de embarcar no táxi. Ideal para aquelas “noitadas” em que você não queria esticar até o final e quando viu perdeu o horário do último trem e gastou quase toda sua grana na balada. 

Espero que tenha gostado e boa viagem!

Thais Fioruci


Referências:









sábado, 7 de novembro de 2015

QUAL A MELHOR ÉPOCA PARA VIAJAR AO JAPÃO?



Olá queridos leitores!

Comecei a escrever meu blog com o objetivo de contar minhas viagens e aventuras pelo Japão. Como ele está armazenado na rede mundial de computadores, turistas que estão com viagem marcada ao arquipélago, perdidos em muitas dúvidas, acabam encontrando-o. Assim, muitas perguntas chegam à minha caixa postal e acredito que o mínimo que posso fazer é tentar ajudá-los de alguma forma.

E um dos questionamentos que mais recebo é: Qual a melhor época para viajar ao Japão?

Bem, na minha opinião é durante as estações de primavera e outono e já vou explicar. Lembrando que as estações no Japão são bem definidas, então se é inverno, é inverno. Entendeu? Não tem aquele tempo maluco de São Paulo onde o inverno bate temperaturas de 35 graus. Isso, aqui, esquece!

Inverno (dezembro, janeiro e fevereiro)


 
Estação de esqui em Nagano


O inverno no Japão é rigoroso, claro que não se compara à uma Rússia da vida, mas prepare para o frio. No final de outubro, a temperatura já começa a cair e ventos gelados começam a tomar conta de nossas vidas. Posso dizer que nessa época do ano, o frio ainda é suportável. Parece o mês de julho em São Paulo.

As temperaturas em Tokyo marcam no máximo 12 graus em dezembro. Em Janeiro e fevereiro, os piores meses, despenca ainda mais e a máxima chega à 9/10 graus. Não acho muito viável viajar nesse período, pois o vento é muito gelado, sendo insuportável andar na rua por muito tempo. Estamos sempre procurando um lugar com ar quente para nos esquentar. 


Os japoneses aproveitam essa época para conferir as iluminações de inverno


Os dias são sempre bonitos e ensolarados, apesar de curtos (o sol nasce geralmente às 7h/8h e às 16 já começa a escurecer). Raramente neva em Tokyo (às vezes acontece de nevar dois dias no inicio de fevereiro), mas no nordeste japonês, bem como nas regiões montanhosas, a neve é abundante. Para quem deseja esquiar, existem muitas estações de esqui.

Com qual roupa eu vou? Traga tudo de inverno! Luvas, se possível de couro, cachecóis, gorros, calça para colocar por baixo, meias grossas, polainas, casacos pesados. Se não tiver tudo isso, não se preocupe, aqui poderá comprar à um preço bem acessível e melhor, peças que certamente suportarão o frio daqui. Uma peça que acho interessante, é uma espécie de “cinta” feito de lã que as mulheres vestem na cintura para o frio não passar entre a blusinha e a calça. Aqui, o pessoal da TV sempre alerta para proteger bem as regiões de “interligação” das peças, ou seja, proteger o tornozelo com meias ou polainas, pulsos com luvas, pescoço com cachecol e a cintura com essa cinta.

Dicas: - se você não tem um casaco pesado, pois nunca teve que enfrentar temperaturas baixas, não compre no Brasil. Os casacos aqui são bem mais baratos, bonitos e preparados para as temperaturas daqui.

- Traga roupas térmicas para evitar vestir milhões de roupas. Se não tiver, compre na Uniqlo à um precinho bem camarada.

- Tenha sempre um kairo à mão. Ele vai te salvar em muitas ocasiões. 


Primavera (março, abril e maio)


 
O famoso hanami

 
Ah .... depois de um inverno intenso, o vento gelado diminuí e as cores das flores começam a colorir a cidade. É quando o país mais recebe turistas, todos ávidos para verem as famosas sakuras. A paisagem fica incrivelmente linda! Os parques ficam lotados com os hanamis (quando os japoneses se reúnem para admirar as flores e comemorar o fim do inverno). A temperatura fica amena, no máximo de 23 graus.

Com qual roupa eu vou? Traga casacos leves, mas que suportem um friozinho, blusinhas manga longa e curta. 

Dicas: Traga uma boa câmera para registrar as sakuras e seja feliz =)


Verão (junho, julho e agosto)



Verão pede praia. Que tal conhecer Okinawa?



 
Todos os anos, em meados de maio e junho, acontece o chamado tsuyu, um período onde chove todos os dias e o clima fica bem úmido. Horrível e não indico! Mas, sabe o que é mais pior? Que isso indica que o verão (detestável por mim) está por chegar.

Meados de julho, as altas temperaturas e o ar úmido indicam que o verão chegou. Gente, não indico essa época. É horrível ... as temperaturas são altas, em Tokyo, marcam uns 36 graus mas a sensação térmica é de uns 45 graus. O ar é bem úmido, fazendo você suar o tempo inteiro. A sensação é de que você está em uma sauna seca, pois não existe vento. Também é quando acontece os matsuris, os famosos festivais enquanto os jovens vestem yukata. Agosto é o pior mês. Os dias são bem longos (o sol nasce lá pela 4h e se põe às 19h), perfeito para aproveitar bem o dia.

Com qual roupa eu vou? Traga roupas com tecidos leves porque até as peças de algodão do Brasil são quentes demais. Saias, vestidos, tops, chinelos e biquíni.


Dicas: - Você irá reparar que nessa época os japoneses sempre estarão carregando uma toalhinha. Nada melhor do que fazer como os locais e compre uma também. Ela servirá para enxugar o suor. Mas se prefere algo mais higiênico, nas farmácias, existem lenços umedecidos com aromas que além de refrescar deixa com um cheirinho de quem saiu do banho.

- O verão é tão intenso que nem os japoneses suportam. Então, visite uma farmácia e confira os inúmeros produtos que existem para refrescar o corpo.

- Ande sempre com leque (distribuem na rua gratuitamente, claro, sempre acompanhado de uma propaganda), sombrinha (aqui existem sombrinhas que protegem dos raios UVA/UVB), passe protetor solar, beba muita liquido principalmente Aquarius e Pocari que evitam a desidratação.  


Outono (setembro, outubro e novembro)


Parque em Tokyo durante o Outono

E finalmente chega a minha estação preferida, apesar dos tufões que costumam acontecer até meados de setembro. Em outubro, o calor já foi embora, deixando um clima agradável. Os termômetros chegam à 25 graus na capital japonesa. As árvores ganham as colorações do koyo e a paisagem fica incrivelmente exuberante.

Com que roupa eu vou? Traga um casaco mais grosso e alguns leves. Durante o dia, esquenta, mas de manhã e a noite esfria bastante.

Dicas: Essa é a melhor época para viajar no Japão. Aproveite e boas fotos!


Espero que minhas humildes dicas possa ser útil principalmente às mulheres. E não se esqueça, traga a mala vazia, pois com certeza ela voltará lotada!

E se ainda surgir alguma dúvida entre em contato por uma de nossas redes sociais:

Canal do Marido no Youtube: www.youtube.com/naterradosushi
Twitter Sakano: www.twitter.com/sakanosan
E-mail: perdidanojapao@hotmail.com


Beijos
Thais Fioruci








Referências: